Programa oferece R$ 9,7 mi para startups de tecnologia

21 de Agosto de 2017

O Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) está com inscrição aberta para uma nova etapa do “Start-Up Brasil”, programa que tem por objetivo estimular projetos que desenvolvam softwares, hardwares e serviços de tecnologias da informação.

Para participar, a equipe deverá eleger um coordenador, que precisa ter vínculo formal com a startup, ou seja, a instituição em que o projeto de pesquisa ou desenvolvimento tecnológico será executado. Outra exigência é que as empresas tenham completado, no máximo, quatro anos de atuação. As propostas serão julgadas por um comitê do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Nessa terceira edição do programa, o MCTIC está oferecendo R$ 9,7 milhões a 50 propostas que vão receber bolsas de até R$ 200 mil. A inscrição é gratuita e pode ser até o dia 25 de setembro no site do Start-up Brasil. O resultado será divulgado na página do CNPq, no dia 30 de novembro.

O ministro da pasta, Gilberto Kassab, ressaltou que, em períodos de recessão como o que o Brasil atravessa, é essencial que o governo se volte para a área de tecnologia. "Nenhum país consegue sair de uma crise econômica sem investir em tecnologia. Essa destinação de recursos parece modesta, num primeiro momento, mas é muito expressiva nesse contexto. Com essa seleção, teremos a oportunidade de constatar mais uma vez que o brasileiro tem vocação para a inovação", afirmou.

Segundo o secretário de Política de Informática da pasta, Maximiliano Martinhão, além de dar prioridade ao segmento, o governo teve o cuidado de dar oportunidade a startups com uma atuação mais restrita. "A gente corria o risco de desprivilegiar startups que estão em determinadas partes do país e que têm um objetivo regional, como startups de proteção da Amazônia ou de agricultura do Centro-Oeste."

Nos dois primeiros ciclos do programa, de 2013 a 2015, foram apoiadas 183 startups, de 17 estados e 13 países e que se sobressaíram entre 2.855 propostas. Até o momento, a iniciativa gerou, segundo estimativa do governo, 1,2 mil empregos diretos.

 

Aceleração de startups

Em outras rodadas, o programa também seleciona as chamadas aceleradoras. Elas têm o papel de auxiliar as startups a ganhar maior visibilidade, colocá-las em contato com investidores nacionais e internacionais e dar orientações jurídicas, de marketing, vendas, finanças e gestão de pessoas.

De acordo com Martinhão, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) está estruturando um programa voltado à internacionalização das startups. A iniciativa complementaria as linhas da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), que, pelo Finep Startup, ajuda esse tipo de empresa a resolver problemas de capital e captação de recursos.

 

O Programa

O Start-Up Brasil, Programa Nacional de Aceleração de Startups, é uma iniciativa do governo federal, criado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), em parceria com aceleradoras, para apoiar as empresas nascentes de base tecnológica, as startups.

As startups cumprem com a função de continuamente revitalizar o mercado, mas precisam de um ambiente propício para que se desenvolvam e tenham sucesso. A figura da aceleradora surge nesse contexto como um agente fortemente orientado ao mercado, geralmente de origem privada e com capacidade de investimento financeiro, que tem a função de direcionar e potencializar o desenvolvimento das startups.

 

Fonte: Agência Brasil






Outras Notícias

De 24 a 26 de outubro, Juiz de Fora recebe o evento Fomenta, iniciativa do SEBRAE.

O evento tem como objetivo principal aproximar os pesquisadores de toda comunidade.

Você deseja ser um Pesquisador/a? Um cientista? Se sim, há muitos conceitos que você deverá compreender.

A décima edição do evento aconteceu nos dias 13 a 15 de setembro no campus da UFMG.